Patrono 2017 - Paulo Flávio Ledur

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Homenagem a Marcelo Aquino

por Mariane de Macedo

 
  
Autoridades presentes, já nominadas pelo protocolo, senhoras e senhores, Marcelo, Boa Noite!

Recebi a tarefa do nosso coordenador da feira do livro, Pedro Vanolim, para fazer a apresentação do Marcelo. E, todas às vezes que ele me faz os convites somos cercados de peculiaridades. Desta vez não foi diferente. Mas, primeiro vou fazer a apresentação objetiva do Marcelo Aquino, que é ator e diretor gaúcho, radicado no Rio de Janeiro. Ele é graduado em Artes Cênicas pela Universidade da Cidade do Rio de janeiro.

Marcelo vem se dedicando ao estudo da fronteira entre a dança e o teatro na busca da construção de um espaço livre e criativo, onde atores e bailarinos encontrem um território de trocas e de afetos. Ele trabalha como ator de cinema, teatro e televisão realizando importantes trabalhos em empresas como Rede Globo e rede Record, além de atuar como diretor e preparador de elenco para espetáculos de teatro.

E hoje Marcelo está aqui, também, como escritor, lançando seu primeiro livro “A História do Príncipe que Nasceu Azul”, que contém uma dedicatória ao ator caçapavano, Maykel Teixeira, cuja lembrança permanece na memória dos amigos, dos fãs e dos familiares.

E aqui, nesta homenagem é que está a peculiaridade do convite do Pedro Vanolim. Por acaso, ele pediu que eu apresentasse o Marcelo, que irá fazer uma homenagem ao Maykel.
Será que o acaso existe?

Marcelo, o Maykel conviveu junto com meus filhos, é filho da amiga que combinou comigo de envelhecermos tricotando debaixo de uma árvore. A Opalina, que chamamos de Lina.
Todos nós conhecemos situações de acasos. Onde não há explicação lógica do que se passa. E cada um dá a explicação de acordo com suas crenças.

Mais importante que o saber por que acontecem as coisas, é poder saboreá-las a fundo, com admiração, aceitação e principalmente gratidão. E por isto faço o meu agradecimento, ao Pedro e a você, que não sabiam deste fato e me presentearam com a oportunidade de acarinhar a minha comadre.

É importante tentarmos entender porque às pessoas entram na nossa vida. Que não é por acaso. E, tem um pensamento que diz: Que algumas entram por uma RAZÃO, outras por uma ESTAÇÃO e outras por UMA VIDA INTEIRA.

Quando percebemos qual o motivo da presença destas pessoas, começamos a saber o que fazer com cada um destes relacionamentos.

Quando alguém entra na nossa vida por uma RAZÃO. É para suprir uma necessidade, estas pessoas vem para auxiliarem em um momento oportuno. Elas poderão ser dádivas de Deus. E são! Elas estão lá pela RAZÃO, que necessitamos que elas estejam. O que devemos entender é que nossas necessidades foram atendidas e elas cumpriram com o papel delas. E este é o papel que você hoje desempenha aqui Marcelo.
Já quando as pessoas entram na nossa vida por uma, ou algumas ESTAÇÕES é porque chegou a nossa vez de dividir, crescer e aprender. Elas nos trazem a experiência da paz e nos fazem rir. Elas poderão ensinar algo que nós nunca tínhamos pensado. Geralmente, oferecem uma quantidade enorme de AMOR, mas somente por algumas ESTAÇÕES. E este é o Maykel.

Relacionamentos de uma vida inteira ensinam para sempre, para uma vida inteira, mesmo. Coisas que devemos construir para ter uma formação emocional sólida. Nossa tarefa é aceitar a lição, amar a pessoa e colocar o que se aprendeu em uso, em todos os outros relacionamentos e áreas de nossas vidas. É dito, que o AMOR é cego, mas a amizade é clarividente. Obrigada Lina, por fazer parte de minha vida. Minha Vida Inteira!

Assim, vamos apresentar o Marcelo Aquino subjetivamente, que demonstra em sua declaração, após a confirmação da presença na feira, ser o que Jung chama de um ser almado, ou seja, que consegue olhar para o outro respeitando-o, tendo gratidão enfim homenageando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário